Quando viajamos, até mesmo em bates-e-voltas rápidos, costumamos nos preocupar com diversas coisas. Roupas, capacete, acessórios, gasolina, óleo, filtro, celular, pressão dos pneus, onde levar o que vamos levar (carteira, documentos, máquina fotográfica, etc.) e outras coisas, gerais e específicas. Mas, muitas vezes esquecemo-nos dos freios.

Uma das maiores dúvidas dos motociclistas ao planejar suas viagens é saber o que levar e como organizar tudo no pouco espaço existente nas bolsas, malas e baús. A algum tempo elaboramos uma lista de itens que se tornou um dos artigos mais lidos do ViagemdeMoto.com (O que é necessário levar na bagagem?). Neste artigo explicamos a aplicação de cada item e a quantidade que normalmente levamos em uma viagem.

Festas de fim de ano (sexta feira teremos a festa do HOG RJ e no sábado churrasco na Brazil Custom) e muita gente tratando de viajar no Reveillon e aproveitando o verão. A motocicleta é sempre uma ótima opção para evitar os engarrafamentos para os destinos mais procurados e é sempre uma boa desculpa para colocar as HDs na estrada.

Desde os tempos de adolescente nas aulas de biologia que todo mundo sabe que dormir bem é essencial para uma vida saudável. E depois de um dia difícil e longo em uma viagem de moto, dormir é um dos requisitos básicos para sua segurança e conforto. Dormir bem na noite anterior ao dia da partida é imperativo, assim como em todas as noites durante a viagem. Portanto, não caia na tentação de ficar acordado até tarde para aproveitar as atrações e o agito dos lugares que visita. Lembre-se que você vai pegar estrada no dia seguinte e precisa estar inteiro para ir para a estrada.

Fazer uma viagem de moto pela Europa, Estados Unidos, pelas regiões dos Andes ou da Patagônia é o sonho de qualquer motociclista. Mas viajar para regiões de clima temperado, principalmente no inverno, pode ser uma tarefa complicada para um motociclista brasileiro, acostumado ao clima tropical, e pior ainda, se estiver despreparado.

Há muitos mitos, acredito, a respeito de como se guia e/ou pilota nos EUA. Chegamos a Los Angeles e alugamos um carro. Alugamos um PT Cruiser, carro considerado “econômico”, ou seja, barato. E é. Todo em plástico por dentro e absolutamente simples para os padrões americanos. Motor competente, mas, fora isto, bem simplesinho (ar, vidros, travas, automático, som, etc., coisas que aqui são opcionais e que lá são básicas).

Uma forma eficaz de reduzir o desgaste do corpo em viagens longas é aplicar algumas técnicas que facilitam a condução da motocicleta e tornam a pilotagem mais segura, principalmente para motos pesadas. Uma dessas técnicas é o contraesterço. Com ele, a moto faz a curva de forma mais precisa, mantém a velocidade e nosso corpo utiliza um mínimo de força na manobra.

O ideal é nunca pilotarmos na chuva. Além de todos os inconvenientes das roupas molhadas, existem os perigos que se multiplicam com o piso molhado. Mas nem tudo é perfeito sobre duas rodas e dias lindos pela manhã tornam-se pesadelos de chuvas e ventos ao entardecer

Parece incrível, mas é verídico: boa parte dos acidentes de moto acontecem a menos de 10 minutos de distância do ponto de partida ou de chegada, devido a distrações na pilotagem. Em parte, isso se explica pela excitação no momento da partida ou um certo relaxamento já próximo ao destino. Portanto, dentro de um território conhecido.

Ver mais artigos

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia