Hoje foi o dia de curtir o Mount Rushmore National Memorial. Rodei quase 100 milhas dentro do Parque que, além de sua mais conhecida atração, o Mount Rushmore National Memorial com as faces de quatro presidentes esculpidas na pedra, tem inúmeras outras.

DEPOIS DIZEM QUE EU INVENTO CONFUSÃO !

Sai cedinho de Rapid City para aproveitar a temperatura mais baixa e fazer a viagem render. Rodei 135 milhas direto, numa estrada que é uma reta só, passando por fazendas e você não via uma única edificação. Com a gasolina pelas beiras, cheguei em um lugarejo chamado Murdo (SD).

Ontem rodei 440 milhas e, com a parada no museu de Murdo, atrasei a viagem em duas horas. Para conseguir um hotel (em Grand Island - Nebraska) foi a maior dificuldade. Acabei encontrando um com um preço meio "salgado", mas o corpo pedia banho, ar condicionado e cama limpa. Claro que encarei. Dormi com a cortina aberta e acordei com esse visual e achando que o preço do hotel foi baratíssimo.

Após uma semana de folga em Moore, na casa dos meus amigos Dan e Odete, só tomando cerveja e curtindo um SPA para relaxar, entremeado com uma ida ao Cassino para tomar sorvete (é de graça) e perder um dólar em 100 jogadas de 1 cent, chegou a hora dolorosa: a despedida.

Hoje acordei bem cedo, não eram 6 horas. Barba, banho, arrumar bagagem na moto, desjejum meia boca do hotel, checkout (só entregar as chaves) monto na Helô e saio lépido e fagueiro para aproveitar enquanto a temperatura está baixa.

Novamente acordei antes das 6 (estou ficando bom nisso, o que me preocupa, pois acordar cedo é coisa de velho). De qualquer forma, valeu a pena, tomei café no quarto mesmo, já que ontem à tarde comprei algumas coisas mais compatíveis com nosso desjejum do que aqueles pães doces besuntados de uma geleia feita de óleo do diferencial de Opala 74.

A decisão de permanecer mais um dia em Vicksburg foi das mais acertadas. Trata-se de uma cidade com uma importância histórica muito grande, como veremos mais adiante, e que preserva com carinho uma arquitetura, a meu ver de leigo no assunto, com forte influencia européia. Para curti-la e admirá-la você precisa ir ao Historic Downtown, estacionar a moto e andar a pé.

Sai de Vicksburg às 8 horas e, quando olhei o velocímetro duas horas depois, mal tinha alcançado as 60 milhas. Isto é menos da metade do que fiz no mesmo tempo anteontem. A culpa é da estrada, a tal da 61. Diferente das longas e monótonas Highways, ela é uma espécie de reedição da antiga 66, só que no sentido Norte - Sul.

A recuperação da cidade após a devastação do Katrina é impressionante, até mesmo o setor hoteleiro, que já era muito forte, aumentou em muito a oferta de vagas com a construção de novos hotéis e ampliação dos antigos.

Pagina 4 de 5
Ver mais artigos

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia