alt

América do Norte, California, USA

San Francisco – Eureka (Parcial = 456 Km / Total =16.813 Km)

Depois de um bom café da manhã no Hotel California, fomos pegar as motos no estacionamento. Demos partida nos motores e como sempre, responderam forte, sem nenhum problema.

Às 08:30h estávamos abandonando a Lombard St, na direção da Golden Gate Bridge para pegar a US-101/Norte.

A bruma que vinha do mar e cobria toda a paisagem não estimulava fazer fotografia. O frio, que estava muito intenso, me obrigava a colar as pernas no tanque para diminuir o contato da calça jeans, que gelava com o vento, e conseguir algum calor do motor.

Passamos por Salsalito. E mais além, a estrada penetra no Napa Valley, com vinhedos esparramados por todo lugar.

Mais tarde, o sol vence a bruma e o mundo ganha mais cor, mas continua frio. A paisagem na US-101 é pura expressão da natureza, aqui e ali, pontilhada de povoados, tipicamente tradicionais. A partir de Santa Rosa, uma floresta de pinheiros e carvalhos imensos envolve a estrada. Em Fortuna, a mata recebe o reforço das Sequoias gigantes. O verde nos acompanha em quase toda a estrada e no final, chegamos ao mar.

Eram 13:30h quando estacionamos em Eureka. Uma cidade pequena que conserva a arquitetura dos anos 50 e tem uma grande loja da Harley-Davidson. Se fui lá? Claro. Dei a volta no grande prédio e estava tudo fechado: infelizmente era domingo.

Voltei ao hotel e pela segunda vez desde o início da viagem, fomos almoçar. A nossa rotina toda tarde, quando chegamos ao hotel, raramente varia. Alguma bagagem fica nas motos. Somente levamos para o apartamento o que iremos precisar. Colocamos a roupa que vestimos hoje para arejar, porque provavelmente será também usada amanhã, com óbvias exceções. Um banho no corpo para tirar a poeira da estrada e vamos jantar. O difícil é escolher onde e o que comer. Se fica difícil, geralmente apelamos para um sanduiche de frango. De volta ao apartamento; tentamos falar com a família pelo Skype, pois raramente nas pequenas cidades o Nextel funciona e todo hotel tem Wi-Fi. Depois, busco e reservo um apartamento no hotel da próxima cidade, pela Internet e analiso a sua posição no Google Maps, para poder encontrá-lo quando chegar lá. Em seguida, transfiro da máquina para o computador as fotografias e filmes realizados, que geralmente estão com algum problema. Pois tirar fotos e filmar, enquanto se está pilotando, não produzem resultados bons. Depois, transfiro as melhores fotos para o sistema do Blog. Em seguida, tenho que redigir o texto do Diário de Bordo, geralmente, muito cansado e sem inspiração. Depois, reconfigurar a parcela de roteiro que vai me servir de guia, no dia seguinte. Não esquecer de recarregar as baterias… Putz! Meia-noite: a mente não suporta nem mais pensar. No dia seguinte, 05:00h já estamos levantando. É. Realmente, tá puxado. Mas, ao acionar o botão de start da Harley e botar o pé na estrada me sinto forte e pronto para começar tudo de novo, porque esta viagem é um privilégio para poucos motociclistas – porque demanda muitas exigências - e concluí-la, é uma distinção especial.


PHD Artur Albuquerque
Fonte: http://phdalaska.hwbrasil.com/site/ e http://www.phd-br.com.br/

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia