alt

América Central, Costa Rica

San Jose – Jaco (Parcial = 82 Km / Total = 38.145 Km)

07:00 h da manhã, Escazu já estava agitada. O trânsito ainda estava tranquilo no meu sentido e aproveitei para seguir direto para a carretera pedagiada que leva a Caldera, antes que ficasse intransitável. Já sabia que existiam algumas retenções ao longo da estrada. Sol brilhante, ar fresco e estrada livre, tudo de bom. A estrada corta a floresta, em curvas suaves, e logo vem o litoral.

Segui diretamente para Jaco. Vaguei um pouco pela cidade e fui até a praia, procurando hotel. Uns excelentes e muito caros ($100.00 USD) e outros péssimos e caros demais ($40.00). Resolvi voltar, na estrada, até a Playa Herradura, que é menos famosa do que Jaco, considerada o paraíso dos surfistas, na Costa Rica.

O povoado é muito menor. Mas, encontrei o mesmo problema, não combinava com o meu orçamento. Minha expectativa de descansar um pouco à beira mar iria ficar para traz, como ficou a minha ida a Limón – também um paraíso da natureza, na costa caribenha.

alt
alt

Voltei à estrada com a decisão de pernoitar em Ciudad Neily, próximo à fronteira com o Panamá. A estrada singrava pelo verde da floresta e vez por outra tangenciava o azul do mar.

Parti cedo, sem alimentar o corpo. Mas, a paz e a beleza do litoral da Costa Rica me alimentavam o espírito.

Parei algumas vezes para tirar umas fotos – por aqui esse simples ato não exige ousadia – para postar no blog.

Já estava no ritmo de estrada, quando, um pouco antes de uma curva, a uns 10 km após Jaco, avistei o Hotel Vista Hermosa, à beira mar. A estrutura simples e bem harmonizada com a natureza me fez parar. Estacionei a Electra sob um coqueiro e fui procurar a administração. O proprietário, Don Miguel, muito gentil, me recebeu pessoalmente e foi me mostrar o apartamento; simples e aconchegante, com o suficiente conforto que precisava, além de ter Wi-Fi. Expliquei que não tinha muito dinheiro e lhe falei da minha viagem. Então, acordamos $40.00 USD a diária. Fique tão satisfeito com a recepção e feliz com a beleza do lugar, que resolvi presentear o meu anfitrião com um Boné do Brasil, que o meu amigo Marcos Balaciano, me enviou através da Claudia, minha esposa, na ocasião de nosso encontro nos EUA.

Depois que me alojei no apartamento, nos sentamos e conversamos bastante sobre a minha viagem e os seus momentos mais críticos. Então, ele comentou que admirava muito as pessoas que tem essa disposição, porque no fundo, uma grande viagem é o sonho de todo ser humano. Mas, concluiu que para muitos falta a coragem ou a oportunidade para realizar. Emocionado, disse que a minha estadia em seu hotel, durantes 2 dias, seria cortesia e que se sentia honrado em que eu estivesse lá. Não pela cortesia, mas principalmente pela sintonia de sentimentos, percebi que estava ali mais um amigo.

alt
alt
alt
alt
alt

Fui até a Electra arrumar algumas coisas, quando se aproximou um hóspede, o Danilo, acompanhado de sua esposa Maritza, costariquenhos, que estavam passando uns dias no hotel com uns amigos. Muito amistosos, vieram conservar comigo sobre a minha bela motocicleta. Fiz um resumo da aventura e comentei que já tinha emagrecido quase 10 kg, porque já houve dias em que toda comida foram barras de cereal e água. A Maritza exclamou: Que beleza! E morremos de rir, sem necessitar outras explicações. Em seguida, muito gentil, ela me convidou para comer arroz com ovos. Nesse momento, me veio na memória o taxista, em San Francisco, que ficou triste quando não aceitei a sua cortesia – não queria cobrar a corrida para ajudar na viagem. Imediatamente, lhe respondi: com mucho gusto. E realmente, o almoço foi uma delícia, acompanhada de limonada e um aperitivo especial que o Danilo me ofereceu para abrir o apetite; uma dose de Ballantines rótulo azul – não sei quantos anos.

Durante o almoço, conversamos muito sobre a viagem. Quando comentei que gostaria de ter ido a Limón, disse que fica no litoral caribenho e é um local muito bonito. Mas, a cidade está ficando perigosa, devido ao grande desemprego. Informou que por lá, a saída da Costa Rica é através do Paso Xicsaola e se entra no Panamá, através de Boca del Toro, sendo as estradas muito boas.

Danilo partiu, Don Miguel foi tirar uma soneca e eu fui caminhar na praia quase deserta. Enquanto as ondas batiam forte no mar e as araras vermelhas gritavam por seus pares, no topo das árvores, eu enchia a minha alma com a beleza da natureza, a fim de expulsar os resquícios de experiências ruins que ainda me faziam mal.

À tardezinha, veio aquela chuvarada e lavou o mundo. Finalmente, realizo um desejo simples, que pensei não poder realizar, que é ficar em paz em um lugar tranquilo e bonito, entre a selva e o mar: Playa Hermosa, de areias negras, coqueirais, vasta vegetação e mar imenso. Neste pequeno pedaço de paraíso, Don Miguel e seus hóspedes não percebem o tempo passar.

alt
alt
alt
alt
alt
alt
alt
alt
alt
alt
PHD Artur Albuquerque

Comentários (1)

This comment was minimized by the moderator on the site

é um grande barato. só vendo as fotos, já é legal. o q me inquieta um pouco é o desconhecido mesmo, q pode haver maldade, coisas ruins, como em toda parte... mas a idéia de estar em lugares diferentes, com outras culturas, novos conhecimentos, encontrar gente como esse cara encontrou, é um grande barato. e é legal a gente perceber, de repente, q ainda tem gente legal no planeta. como a que convidou o cara p jantar, o cara do hotel, que lhe fez duas cortesias, etc... seria tão bom se fosse sempre assim... tempo bom, gente boa, sem quebrar a moto, nem furar pneu sequer,...

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia