alt

América do Sul, Peru

Quito – Zorritos (Parcial = 694 Km / Total = 40.915 Km)

Às 06:00 h, manhã bem fria, o Lutz já estava no portão do meu hotel, conforme combinado. Porém sem a sua KTM, pois havia dado pane na bateria. A ideia inicial era me acompanhar em um bom percurso do meu trajeto. Mas, de carro, me levaria apenas até a Pan-americana Sur, na saída da cidade. Minha ideia era pernoitar logo depois de Tumbes, em Mancora, o paraíso do Surf, no Peru. Mas, o Lutz me convenceu a pousar em Zorritos, porque além de ser uma praia também bonita e por ser menos badalada, a hospedagem seria mais barata.

Depois de agradecer ao amigo por tudo, dei partida na Electra e segui para a estrada. Passei por Ambato e como tinha muita estrada pela frente e tempo curto, não foi possível parar para dar um abraço nos Irmãos Boada, que me receberam tão bem, quando eu fazia a minha passagem para o Norte, na companhia do meu irmão Robertinho.

Mesmo com a continuidade da indicação de pane elétrica (luz ABS acesa), o motor funcionava normalmente.

Após Rio Bamba, reduzi a marcha para subir a grande serra de Chimborazo, que leva a estrada além dos 3.000 m de altitude. O motor rugia forte nas reduzidas para entrar nas curvas muito fechadas.

O tempo nublado baixa mais a temperatura e as nuvens às vezes cobrem a estrada. Casas muito humildes predominam na região dos Puruhaes. O tempo passa e as curvas fechadas e o tráfego pesado de caminhões lentos não me permitem avançar mais rápido. O termômetro da Electra volta a marcar 40ºF, como era no Alaska. Frio demais. Foram 390 km de serras nas primeiras 6 horas.

Depois de Laranjal, já na baixada, eram as pequenas cidades e o trânsito caótico e lento que empacavam o ritmo da viagem . Já começava a ficar preocupado em chegar tarde demais no destino e contar com a sorte para encontrar hotel com garagem fechada.

O tempo passou e logo cheguei à fronteira, com a nova aduana conjugada Equador e Peru. Ainda bem que os trâmites de entrada e saída foram simples e rápidos. Não houve dificuldade para achar posto de gasolina e a estrada é muito boa.

Em pouco mais de uma hora, passei por Tumbes e cheguei a Zorritos, que ladeia um curto pedaço da Pan-americana, beirando o Pacífico. Povoado modesto. Mas, a área turística tem uns poucos bons hotéis, à beira mar. O primeiro que sondei era caro demais. Percorri toda a faixa turística e acabei voltando ao mesmo hotel, onde um senhor me indicou uma opção ao lado, a Hospedage Blue Points, onde o gerente Sr. Elvis Cristóbal (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.), ao saber da minha viagem, me fez um preço especial. Além disso, arrumou um lugar protegido para a Electra e me colocou em um apartamento de frente para o mar.

Depois de comer um peixe frito delicioso, como a primeira refeição do dia, resolvi deixar o trabalho para amanhã e como não consegui conversar com a minha mulher através do Skype, fui dormir ouvindo o som prazeroso das ondas do mar.

PHD Artur Albuquerque
http://phdalaska.hwbrasil.com
www.phd-br.com.br

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia