alt

América do Sul, Peru

Nazca – Moquegua (Parcial = 733 Km / Total = 43.410 Km)

Tomei um café da manhã agradável, em um ambiente repleto de turistas alemães. Sentei na sela do meu cavalo e galopei para a estrada. O céu estava sem nuvens e a minha expectativa era de calor. Ledo engano. Quando adentrei o deserto, estava bem frio e a minha camisa começou a gelar. Desisti de esperar que o Sol me aquecesse e parei para vestir o casaco de couro e trocar as luvas.

Com o motor ligado para não arriscar uma nova partida, a fim de poupar a bateria já enfraquecida, fiquei alguns minutos contemplando o deserto. A planície se perdia no horizonte e todo aquele mundo inerte parecia jazer imóvel a uma eternidade. Sublimando os poucos transeuntes e a estrada, apenas o vento quebrava o silêncio milenar e perturbava a paz. Acariciava aquela imponente terra adormecida, ousando agitar a sua imensa cabeleira de areias.

alt
alt
alt
alt
alt

Segui em frente, devagar para continuar em sintonia com aquela serenidade. Mais adiante, percebo que no horizonte se descortinou uma extensa neblina, que aos poucos foi apagando o Sol. A 600 m de altitude, ficou mais frio ainda. A cena seguinte ficou por conta das montanhas. O motor da Electra rugia sereno, como se nada pudesse impedi-lo de avançar e a vibração deste som me dava uma imensa energia adicional. Na estrada, em movimento, parecia que nenhum mal nos poderia alcançar.

Começamos a subir. Curvas e mais curvas contornando a lateral da cordilheira. Ao lado, abismos profundos que mal eu ousava olhar. Como meninas curiosas, as grandes montanhas de areia vinham do deserto aproximando-se da praia só para ver de perto a beleza do mar. E a estrada, num rasgo de ousadia, passava abusada sobre os seus pés. A impressão que se tem é de que basta qualquer tremorzinho ou um vento mais forte para a estrada se apagar.

No Peru como na Colômbia, há muita gente cuidando da estrada, por onde deve correr o principal fluxo de mercadorias e de esperança de progresso para todo lugar.

Com raríssimas placas indicativas de cidades e de distância, a solução é perguntar às raras pessoas que surgem na estrada e confirmar o sentido da direção na bússola do GPS para não errar. Com a satisfação de não ter sido parado por ninguém, chego cedo a Arequipa, onde tinha planejado pernoitar. Sem a perturbação da Policia Carretera, fica mais fácil decidir seguir em frente.

Após mais ou menos 13 horas de estrada, chego a Moquegua com o Sol abaixo da linha do horizonte, com o marcador de combustível mostrando a preocupante palavra “Lo”. Consigo um posto que aceita a tarjeta e acho o Hotel Colonial.

PHD Artur Albuquerque
http://phdalaska.hwbrasil.com
www.phd-br.com.br

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia