Viagem de moto pelas Américas

Oi família, acabo de voltar das Linhas de Nazca. Fiz um vôo de 35 minutos sobre o deserto, e foi bem legal. Deu pra ver bem o que eu tinha visto da estrada ontem. Há montanhas, planície, e um vale que é um oásis. E as Linhas são incríveis. Formas geométricas de um astronauta, animais e outras puramente trapézios. Tem o desenho perfeito de um macaco, só que não há macacos aqui! Foram feitas retirando-se o material ferroso oxidado da superfície, e assim permanecem (não sei como), há quase três mil anos. Foram feitas de 900 antes de Cristo a 1000 d. C., pelos povos Paracas e Nazca. não se sabe pra que, nem como fizeram. As formas são realmente perfeitas e só podem ser apreciadas a uma altura de 300m a 400 m. É realmente um mistério. Pena que minha máquina não tem a mínima chance de fotografar. Mas consegui um bom zoom numa figura de colibri.

Hoje aproveitei o mau céu de manhã (não dava pra ver as Linhas), pra trocar o óleo da moto, abastecer, lubrificar a corrente e encher os pneus. Deu tudo certo. Só a tomada 12 V não funciona mais. Troquei o fusível, e mesmo assim não funciona. É uma pena, porque o calibrador de pneus que o Alysson me deu funcionava nesse 12 V. Aqui os carros não tem isso, ou raramente, e nos postos é difícil achar um Aire que sirva, porque tem umas hastes metálicas muito compridas, que não se ajeitam na roda para encher, e nem tem a medida da pressão. Consegui uma concessionária Honda pra encher, mas foi no olhômetro.

Tinha uma GS 1200 no saguão do hotel, de um argentino. Deve estar viajando como eu. Assim que ele saiu, coloquei a moto no lugar. Então, está de novo no saguão do hotel.

Manda notícias