Viagem de moto pela Cordilheira dos Andes

Saímos do hotel em San Pedro do Atacama por volta das 8 horas e fomos para o posto abastecer as motos e a reserva, preparando para a falta de combustível na Argentina. No posto encontramos com o grupo de motociclistas Cães do Asfalto de Itajaí, Santa Catarina (Marcelo, Miguel, Nilo, Luiz, Rodrigo e Thiago/Fran). O Miguel, disse que encontrou com o Ivan, Luciano e Ruy, nossos amigos que estão em viagem para Ushuaia. O Marcelo Boleman, o grandão que aparece comigo em uma das fotos, ficou entusiasmado ao nos encontrar porque já conhecia o Viagem de Moto e fez questão de fotografar com a gente.

Depois das fotos, nos despedimos dos amigos e seguimos para a migração / aduana chilena para sair do país. A fila da migração estava enorme, de modo que ficamos lá mais de hora. Na Aduana foi rápido, um funcionário pegou as fichas que tínhamos de entrada das motos no país e nos liberou da fila.

A partir de San Pedro até o Paso de Jama na divisa com a Argentina a estrada começa a subir gradativamente até quase 5.000 de altitude. Já havia passado por esta estrada em 2009 e achei a região uma das mais bonitas que conheci em minhas viagens, mas agora estava muito diferente de quando a conheci. 

Subimos, subimos, subimos e chegamos às montanhas que ficavam acima das nuvens. Estava tudo coberto de gelo. Tivemos que pilotar com cuidado porque o asfalto estava molhado pela neve derretida e poderia ter algum trecho com gelo. Paramos para tirar fotos, apreciar o pedaço do Licancabur que estava visível e brincar na neve.

Continuamos nossa viagem, agora descendo e a paisagem foi mudando completamente, retornando as grandes dunas de areia do deserto, mas as montanhas com os cumes gelados ainda continuaram nos acompanhando por um bom tempo. 

Passamos por vários motociclistas brasileiros e de outras nacionalidades que iam em sentido contrário ao nosso, vimos lagos formados pela água do degelo e emoldurados por sal e passamos por um trecho da estrada onde chovia, mas era fraca e não durou muito. 

Chegamos na migração e aduana argentina e tivemos que esperar quase duas horas. Foi um dos processos mais burocráticos e demorados da viagem até agora.

Um ponto positivo foi que durante o planejamento da viagem eu descobri que quem tem seguro total da moto com abrangência para o Mercosul não precisa adquirir o famoso Seguro Carta Verde. Resolvemos arriscar e não tivemos problemas. Quando nos pediram o seguro apresentamos os cartões fornecidos pela seguradora, que foram aceitos.

Depois passamos por mais um alagamento na pista, onde havia, inclusive, dois veículos acidentados, um deles totalmente destruído. Mas foi fácil passar por mais este obstáculo. Acho que estamos ficando treinados em atravessar lama com nossas motos.

Passamos também pelo Grande Salar, que desta vez estava quase todo coberto de água. Lá encontramos mais um grupo de brasileiros apreciando o lugar.

Chegamos a Purmamarca, o lugar onde havia planejado pernoitar, havia uma grande festa na cidade que eles chamam de carnaval e os hotéis estavam lotados. Só encontramos um quarto com cama de casal. Buscamos no GPS hotéis nas cidades mais próximas. Passamos por Maimara, uma cidade bem feia e fedorenta e também não havia vagas. Em seguida fomos para Tilcara, onde também havia uma festa muito animada e a cidade também estava lotada. Então resolvemos ir para Jujuy, capital do estado, que tem uma estrutura hoteleira muito boa. Já era noite quando chegamos na cidade, depois de percorrer uma estrada muito movimentada com um nevoeiro seco muito estranho. Encontramos vagas com facilidade apesar do GPS não indicar nenhum hotel na cidade.

Números do dia:

Distância percorrida: 556 km
Distância total: 8.246,9 km
Gasolina: R$ 51,80
Valor por litro: R$ 2,89
Lanches: R$ 16,97
Hospedagem: R$ 74,67

Comentários (9)

Rômulo Provetti Admin Author
This comment was minimized by the moderator on the site

Olá Marcelo, que bom que você entrou em contato. Como não tinha anotado os dados de vocês, na postagem eu não citei seus nomes. Fiz algumas alterações no texto e substitui a foto que eu havia tirado com minha câmera pela sua foto, que ficou bem melhor. E acrescentei a nossa foto. Quanto à neve, eu já havia passado por este lugar e não tinha também. Na altitude tem destas coisas, de uma hora para outra o tempo muda muito. Um grande abraço para você e o pessoal dos Cães do Asfalto.

This comment was minimized by the moderator on the site

Romulo, Muito bacana encontrar vc e o meu xará Marcelo em San Pedro de Atacama! Valeu pela foto com o pessoal! Abç

Rômulo Provetti Admin Author
This comment was minimized by the moderator on the site

Olá Fernando, estamos em casa depois de 27 dias na estrada e muita historia para contar. O problema de falta de combustível na Argentina está bastante sério e me deixou bastante surpreso foi a passividade do povo argentino com o problema. Quando passamos por Tilcara tinha uma fila enorme no posto que atrapalhava até o trânsito na rodovia. Sorte nossa que ainda tínhamos gasolina e ainda uma reserva. Foi um prazer conhece-los. Grande abraço.

This comment was minimized by the moderator on the site

OLÁ COLEGAS MOTOCICLISTA , PODIS CRER ,EU ESTOU VIAJANDO COM VOCÊS NESTE FANTASTICO DESAFIO , MUITO BOM SEM MAIORES PROBLEMAS , E TORCENDO QUE CHEQUEM EM PAZ , JÁ FIZ A ROUTE 66´ DE DALAS A CALIFORNIA SEI COMO É BOM O AR DA LIBERDADE EM UMA MOTO, A VIDA É ESTA VAMOS SABER DISFRUTA-LA DA MANEIRA QUE CADA UM SABE CURTIR, O NOSSO ABRAÇOS. DE ; JORGE CARNEIRO .

This comment was minimized by the moderator on the site

Boa tarde Rômulo. A `turma de brasileiros` que você encontrou no Salar eram eu (Fernando), além dos amigos Fábio Brignoli e Anuar Umar. Na foto em que aparecemos eu estou na moto do meio (BMW GS 1200 Prata). Também tivemos que ir a Tilcara, mas ao invés de Hotel fomos atrás de combustível. Pernoitamos em Susquez. Em razão da falta de nafta nossa viagem atrasou em um dia. Hoje já estamos todos nas suas respectivas casas, em Rio do Sul, Santa e Bela Catarina. Espero que vocês também estejam bem. Abraços e até a próxima viagem.

Rômulo Provetti Admin Author
This comment was minimized by the moderator on the site

Olá Santos, obrigado pela mensagem. Felizmente desta vez conseguimos passar ilesos pela Argentina, mas em 2009 eu fui achacado em Santiago del Estero. O suporte do GPS um amigo me trouxe da Alemanha.

This comment was minimized by the moderator on the site

BOA TARDE ROMULO,TAMBEM FIZEMOS ESTA VIAGEM HA 20 DIAS ATRAZ,FOMOS ROUBADOS DUAS VEZES PELA POLICIA ARGENTINA,EM CORRIENTES E PROXIMO DA FRONTEIRA COM O BRASIL,SE PREPARA.QUERIA SABER ONDE COMPROU O SUPORTE DO GPS PRA MOTO.DEUS TE ACOMPANHE NA SUA VIAGEM DE VOLTA,SOU DE IPATINGA,PROXIMO DE BH. ABRACO.

Rômulo Provetti Admin Author
This comment was minimized by the moderator on the site

Oi, João Marcos. O GPS é um Garmin Nuvi 255W. Não é um GPS para motos e já esta bem antigo, mas quebrou o galho em várias viagens que fiz. Mas agora começou a dar problemas.

This comment was minimized by the moderator on the site

Cara,muito show a viagem.Posso estar enganado,mais pode ser que um desses grupos de brasileiros que vocês encontraram seja da minha cidade!!Uma turma saiu a mais ou menos uns 15 dias com destino ao Chile. Mais uma pergunta:Qual a marca do GPS que vocês estão usando?

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia