Viagem de moto Mato Grosso

Uma noite bem dormida e a ansiedade de chegar ao lar e encerrar a viagem permitiram manter a regularidade na estrada e percorrer mais que 860 km nesse dia, como ocorreu ontem. A estrada inicialmente estava em boas condições, o que me ajudou a fazer a viagem render.

A temperatura estava agradável no início da manhã e mais tarde o calor veio forte. No início da tarde o tempo fechou e cheguei a pensar que pegaria chuva, mas ela caiu em outra região.

Durante quase todo o dia a paisagem era muito maçante, com pastos intercalados com restos de florestas que salpicavam aqui e ali entre áreas degradadas. A exceção foi uma fazenda, cuja sede no meio de uma grande plantação de milho com astes secas compunham uma das mais bonitas imagens que vi durante as minhas viagens. Para valorizar ainda mais a foto registrei rapidamente, sem descer da moto e com o capacete na cabeça, conseguindo ver apenas uma parte do que estava sendo gravado pelo processador da câmera.

Viagem de moto Mato Grosso

Em Conquista D'Oeste, parei em um posto simples sem bandeira e perguntei para o frentista se a gasolina era boa e se a bomba não estava regulada para mostrar no painel mais gasolina do que realmente apresentava. Ele respondeu que era muito boa com certeza e a medida era correta. Quanto à medida, ela estava realmente correta.

Essa viagem me deixou com uma grande indignação em relação aos gananciosos donos de postos de gasolina. Além da qualidade ruim, demonstrada pelo consumo que a moto fazia entre os abastecimentos, eu podia saber exatamente quanto de gasolina cabia no tanque, porque minha moto mostra qual foi o consumo desde o último abastecimento. Como eu sempre enchia o tanque, sabia se estava ou não sendo "roubado". A maior parte dos postos onde abasteci estavam enganando os clientes com medidas incorretas, alguns chegavam a mais de 10%. Houve exceções, claro, mas poucas, infelizmente.

Alguns quilômetros depois desse abastecimento eu senti uma fisgada nas costas, seguida de uma sensação de que a pele, em uma região lateral do tronco, abaixo da axila, estava queimando. Poucos segundos depois outra fisgada. Um marimbondo tinha entrado na jaqueta, que eu usava aberta na parte de cima, e me ferroou duas vezes. Abri a jaqueta completamente e parei logo adiante para confirmar duas marcas na pele.

A parada seguinte foi em um grande posto na cidade de Porto Esperidião. 6% de roubo na medida da gasolina. No distrito de Vila Sadia, da cidade de Cáceres, foram "apenas" 3% de erro. Fiquei um tempo descansando na lanchonete para ler as mensagens nas redes sociais e baixar a temperatura do corpor no ar condicionado.

Viagem de moto Mato Grosso 02

Na passagem por Cuiabá a estrada estava em obras e havia uma fila com cerca de 30 km de caminhões, ônibus e outros veículos. Mesmo fazendo ultrapassagens em locais que não deveria para adiantar a viagem, demorei cerca de uma hora e meia para percorrer esses 30 km. Depois foram cerca de 100 km de uma estrada ótima até pegar outro trecho em obras e engarrafamento. Neste trecho passei por três praças de pedágio.

Hospedei em um hotel que havia pesquisado antes em aplicativo da internet e onde consegui um preço muito melhor na recepção. Jantei um PF no próprio hotel.

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia