Saímos sabendo que hoje era o dia de atravessar a fronteira com a Bolívia. Passamos por um trecho de estrada que atravessava o pantanal, muito bonito, mas os bichos que eu queria ver, não vi, só mortos ao longo da estrada, que tinha poucos trechos com acostamento e muitos pedaços de borracha de pneu espalhados na pista. Também tinha muitos (18) radares, um próximo ao outro. Por causa dos radares tínhamos que andar a 80 km/h.

O café do hotel era horrível. Fomos para o primeiro posto da Bolívia e eu já estava apreensiva para abastecer pois sabia das histórias. Chegamos ao posto onde vimos dois guardas que quase não se mexiam, parados com cara de mal amados. O antipático do frentista abasteceu as motos, mas cobrou 8,65 o litro da gasolina. Pagamos com dólares. Até que não foi tão difícil, eu pensei.

Depois de um café horrível com Nescafé em saquinho sem leite e um pão duro, fomos tentar comprar gasolina no galão que eu levava, só pra completar o tanque. O posto vendia para galão só após às 8 horas da manhã e já tinha fila de mulheres esperando pra comprar. Desisti e seguimos viagem assim mesmo.

Nesse dia acordei cedo, por voltas das 5 da manhã e os lixeiros estavam limpando em volta do mercado. Fazia um friozinho, então resolvi colocar a roupa de cordura. Fomos buscar as motos na garagem que ficava a três quadras do hotel e seguimos para encontrar a nossa amiga no outro hotel. O café foi muito bom, um milagre mesmo.

Tomamos um belo café preparado pela nossa amiga Alina e na companhia do Yamil, que contratou um cara para nos guiar de carro até a saída da cidade. Esses amigos foram demais. O piso das ruas que passamos até pegarmos a estrada para Puno era horrível, de pedra e poeira.

Hotel bom, quer dizer, café da manhã bom. Saímos depois das 8 horas atrás do tal seguro e de trocar dólares por soles. Conseguimos trocar o dinheiro e fazer o seguro após pagar 91 soles. Saímos de puno por voltas das 11 horas da manhã. Abastecemos sem problemas no peru. A estrada era boa em alguns trechos e ruim em outros. Isso era uma constante.

Pagina 1 de 2
Ver mais artigos

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pela América do Sul

Viagem de moto pela América Latina

Em 2013, Eduardo Henrique Pereira de Ávila Borges, 23, comprou uma Yamaha Mignight Star 950...

Expedição Altiplano

Um grupo de cinco motociclistas cariocas fez uma viagem muito interessante. Saindo do Rio de...

Viagem de moto pelo Uruguai, Argentina, Chile e Peru

Os motociclistas Valdemir José, com sua Harley-Davidson Sportster XL 883 R e Rubão, com uma BMW R...