Tinha pela frente cerca de 470 km para percorrer até Nova Délhi. A expectativa era de que as estradas até aquela cidade estavam boas, mas na velocidade normal da moto, provavelmente teria que fazer a viagem em dois dias. Na recepção do hotel onde estava, em Amritsar, disseram que não conseguiria percorrer a distância em um dia.

Saí do hotel por volta das 8h30. Peguei uma rua errada e acabei subindo um elevado que terminava em um estacionamento próximo ao Golden Temple. Voltei pela contra-mão para pegar o caminho correto, mas depois de alguns quilômetros, acabei passando reto em um lugar onde deveria virar. Novamente voltei pela contra-mão e finalmente segui pelo caminho certo. Acabei perdendo uns 15 minutos com os erros. A saída da cidade até que não é complicada, apesar dos erros. Mas havia obras na cidade que causavam engarrafamentos, principalmente em um lugar onde estão construindo um imenso portal, que me pareceu ficará muito bonito pronto.

Quando peguei finalmente a estrada, ela era muito boa, duplicada e estava com pouco movimento naquele dia. Uma névoa cobria o horizonte e me lembrou a que vemos sobre Belo Horizonte em determinadas épocas do ano quando ocorre inversão térmica e a poluição cobre a cidade.

Viagme de moto pela Índia

Passei por tratores rebocando enormes carretas carregadas com o que parecia a colheita. Mais tarde passei por um outro grande número de tratores também rebocando enormes carretas, mas cheias de retalhos de tecidos.

Nos trechos da estrada próximos às cidades maiores, o trânsito ficava normalmente mais intenso e o ritmo da viagem diminuia. Outros estavam em obras, com desvios por terra e cascalho que dificultavam passar com a moto. O trecho com a velocidade permitida mais alta era de 90 km/h. Mas apesar de todas as dificuldades do percurso e da baixa potência da moto, que não permitia manter o limite da velocidade da via, a viagem rendeu bem. Passei por várias praças de pedágio, mas motos não pagam em nenhuma delas, tendo sempre uma pista exclusiva para elas à esquerda. Em algumas, até os tuk tuks passavam pela pista para motos.

Perto de uma cidade chamada Rajpura, passei por um centro de compras moderno, bonito e organizado, onde parei para fazer um lanche. No lugar tinha várias opções de restaurantes fast foods de cadeias internacionais, que estavam todas vazias durante o tempos que fiz meu lanche.

Como no dia anterior, devido ao grande número de cidades e vilas às margens da rodovia, foram poucos os lugares onde eu pude parar para fazer xixi.

Viagme de moto pela Índia

Ví muitos templos nas cidades que passei, a maioria bonitos, pintados de branco, boa parte no meio de construções feias. Frequentemente passava por vacas pastando nas margens ou andando sobre a pista, exigindo muita atenção ao pilotar.

Em algumas cidades as bicicletas, motos, carros, caminhões e ônibus atravessavam a estrada de um lado para o outro com grande risco para quem seguia pela estrada em velocidade.

Encontrei também vários carros enfeitados com flores, mas não fiquei sabendo o motivo e o que comemoravam.

Chegando próximo a Délhi, havia uma quantidade muito grande de caminhões estacionados nas margens da estrada. Achei que era alguma manifestação e que mais à frente a estrada estaria fechada, mas não tive problemas para passar.

Viagme de moto pela Índia

Cheguei a Nova Délhi por volta das 5h da tarde e usei o mapa do celular para chegar à região central da cidade. Não fui para o hotel onde tinha ficado antes de iniciar a viagem e onde deixei a mala que usei para levar a bagagem no avião. Procurei outro e encontrei muito melhor pela metade do preço. No dia seguinte fui lá e peguei a mala, deixando uma gorjeta para o recepcionista.

Depois fui com o Ankur até um mecânico que fez a revisão da moto e em seguida a um lava jato para limpá-la antes de devolver à loja de aluguel.

A viagem durou 24 dias, durante os quais percorri 4.524 km, a maior parte por estradas muito precárias. A Royal Enfield Classic 350cc não teve nenhum problema mecânico. Foram duas quedas sem consequências mais significativas, apesar de ainda continuar sentindo a dor no ombro mais de um mês depois de retornar ao Brasil.

O custo total da viagem, incluindo passagens aéreas, aluguel das motos, combustível, hospedagem, alimentação e outras despesas ficou em torno de 2.500 dólares.

Comentários (6)

This comment was minimized by the moderator on the site

Parabéns Romulo, com certeza você é um dos grandes aventureiros de moto da atualidade. Um abraço e que o Senhor Jesus te abençoe!

This comment was minimized by the moderator on the site

Obrigado, Vanderci. Espero que esteja inspirando outros motociclistas a irem para a estrada.
Um grande abraço

This comment was minimized by the moderator on the site

Prezado amigo,


Só hoje tive tempo de ler o relato de mais essa incrível jornada. Li tudo de uma vez, fantástica e detalhada descrição dos lugares e momentos, me senti como se estivesse contigo na estrada mais uma vez, e também foi muito bom relembrar várias passagens da viagem do ano passado. Acho até que reconheci alguns lugares nas fotos e relato da passagem por Kullu e pelo Aut túnel(não sei se é o mesmo que vc passou este ano, e pelo qual havíamos passado ano passado), bem como os trechos entre Keylong e Manali. Você é muito obstinado e corajoso, inspiração para muitas pessoas como eu, como você bem sabe. Parabéns por mais esta, obrigado por compartilhar e sucesso.

This comment was minimized by the moderator on the site

Olá Rafael. Muito obrigado, meu amigo. Senti sua falta durante a viagem, que com certeza teria sido melhor em sua companhia. Mas não faltarão outras oportunidades.
Um grande abraço

This comment was minimized by the moderator on the site

Que viagem linda camarada...

Você é mesmo um grande desbravador moderno!!! Que Deus conserve você sempre assim: Forte mental e fisicamente, pra continuar desbravando lugares e nos inspirando a também sairmos de nossas "conchas"!!!!

Uma dúvida camarada: você se acidentou com a moto que alugou no início da viagem ou com a moto que vc alugou pra rodar naquele trecho onde era proibido rodar com veículos de fora? Não me lembro de ter lido nenhum relato seu falando sobre a devolução da segunda moto.

No mais, te desejo muitos anos de vida,saúde, prosperidade e felicidade, além é claro, de muitos kms de estradas e paisagens estonteantes...

Te admiro muito camarada!!!

Grande abraço!!!


André Ramon.

This comment was minimized by the moderator on the site

Realmente eu esqueci de informar a devolução da moto em Leh, que ocorreu no 16º dia. Já acrescentei uma nota.
As duas quedas foram com a moto de Délhi.
Muito obrigado, meu amigo. Espero que continue nos motivando com suas mensagens de alto astral.
Grande abraço.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia