Viagem de moto pela Europa

Fiquei em Andorra 2 dias. Ontem eu resolvi visitar o Lac d’Engolasters. Parei num posto para abastecer a moto e vejo uma Vulcan Classic 800, a primeira moto de minha vida. Era do frentista, português do sul de Portugal, o Miguel Garcia.

Batemos um longo papo, fizemos uma sessão de fotos com a Vulcan, ora comigo pilotando, ora com ele e, ao final, despedimo-nos como se dois brasileiros ou dois portugueses - o que dá no mesmo - fôssemos: abraços de pessoas que se emocionam com um encontro e que deixam transbordar toda essa emoção com tapas de tirar poeira da jaqueta e o calor humano só existente entre irmãos.

Na emoção, esqueci a capa da câmera e, na volta do lago, passei pelo posto. Antes mesmo de parar a moto ouço lá de dentro: “- Oh pá, esquecestes a bolsa aqui“. E vêm dois portugueses risonhos, que substituíram o Miguel, me entregar a capa. Mais papo, um era “alfacinha” e o outro “tripeiro”. Só mesmo quem está na estrada sabe da alegria de encontrar essa gente, não apenas pelo idioma, mas pelos hábitos e costumes que herdamos e que não nos envergonhamos de mostrar. Os gajos são da fuzarca !

À noite, sai para passear pela cidade e comer alguma coisa. Impressionam a velocidade com que os caras dirigem pelas ruas estreitas e, mais ainda, como eles param ao menor gesto de que você quer atravessar a rua!

Comi no Mama Maria e enquanto esperava meu prato, polvo à portuguesa (12 euros), olhava as fotos na câmera fotográfica, quando chega um cidadão e começa a conversar comigo em inglês. Cumprimentei-o, mas pela minha cara de espanto ele viu que eu não o reconhecia. Era o motard da Áustria que encontrei se abrigando da chuva em um posto de gasolina em Portugal e que trocamos e-mails. Desculpei-me e batemos um rápido papo e ele ficou de escrever-me quando voltar para a Áustria. Quem sabe não passo por lá?

Hoje, na saída de Andorra, tinha que tomar uma decisão. Embora a cidade de Foix tenha sido recomendada pelo meu sobrinho Rodrigo Cabral, a descida para Carcassonne privilegia os Pyrenées Catalanes. Então, a opção era entre uma cidade e uma estrada. Difícil, mas acordei com “animus pilotandi” (latim vulgar) e parti para os Pyrenées, embora o GPS se recusasse a fazê-lo. Quem sabe com medo de outra braçada como a do túnel? Ignorei-o e fiz todo o percurso com auxílio do Atlas Michelin.

E foi assim, “setando” cidade a cidade, que percorri estradas incríveis com cenários que nos tiram o cansaço do lombo. Numa dessas cidades, Mont Louis, que eu iria apenas passar, vejo um conjunto de muralhas, faço meia volta, saio da estrada e me dirijo para lá. Era uma muralha defensiva em volta de uma cidade medieval. Passei pelo arco de entrada, estacionei a moto para as fotos e nisso chegam duas moças que me cumprimentam e começamos a conversar. Elas se chamam Montze (de Montserrat) e Sarah, e estão viajando pela Europa. São pessoas simpáticas, como todos os que gostam da estrada (modéstia à parte) e bem humoradas (idem). Elas me deram várias dicas de locais para visitar e demos boas risadas das histórias que compartilhávamos. Fizemos as fotos de praxe, despedimo-nos, com a promessa de que acompanhariam minha viagem pelo ViagemdeMoto.com. São pessoas como essas que transformam nossas viagens em caminhadas leves, divertidas e nos fazem acreditar no ser humano. Muito bom mesmo.

A estrada ainda me reservava uma surpresa próximo a Carcassonne, o tal de “Défilè de La Pierre Lys”. Uma estrada escavada na rocha, em um desfiladeiro que faz a festa dos motociclistas. Claro que tem que se ter cuidado, muitas curvas, bastante tráfego de motorhomes, porém muito bem sinalizada e o asfalto impecável. É um epílogo à altura de uma bela viagem.

Chegando a Carcassonne procurei o McDonalds – eles estão invadindo a Europa, mas não podem colocar aquele símbolo amarelo enorme que usam na terra de Marlboro – e reservei um hotel pelo site que utilizo. Para variar, o GPS estava de mal comigo e dizia que não conhecia a rua do hotel. Eu cansadíssimo, suado, querendo um banho e cama e o idiota de sacanagem! Bem, pergunta daqui pergunta dali e descubro que é perto do aeroporto. Sigo para lá e no meio do percurso vejo um pôr de sol que me obriga a fotografias. Não tinha local para estacionar, mas coloquei a moto na beira da estrada com pisca-alerta ligado e fui à luta. Acho que compensaria qualquer multa.

Comentários (2)

This comment was minimized by the moderator on the site

Helio Bom Dia,
estou de saida para um tour (de moto, claro) na Europa e pretendo passar pelos Pireneos no trecho madrid-Barcelona.
Gostei das sua s dicas, mas gostaria falar com voce. Poderia me passar seu fone ome chamar no 011-976857877 ?
Obrigado
Abs

This comment was minimized by the moderator on the site

Lindo pôr do sol...
As fotos dele ficaram lindas...
Boa viagem ai e como sempre digo, tâmo junto!!!!

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia