Viagem de moto pela Europa

Reservei um hotel em Saint-Ouen-l’Aumône, a 40 km do centro de Paris, porém a 1 km da Yamaha Motor France. Afinal tinha de pensar na minha caminhada de volta depois de entregar a moto, hehehe. A viagem até Paris foi excelente. Havia uma ameaça de chuva, mas percebi que elas ocorrem sempre a partir das 13 horas, por isso saímos cedo e fomos desfrutando os últimos quilômetros de nossa parceria.

O tempo estava nublado, o que poderia contribuir para um certo clima de melancolia para a nossa despedida, mas isso não ocorreu, fomos lembrando os momentos maravilhosos de uma viagem de sonho: as encostas cobertas de parreiras da região do Douro no fraterno Portugal; as edificações medievais, gálicas e romanas enfeitando nosso trajeto; as curvas radicais dos Pass e Cols dos Pirineus e dos Alpes; os abismos incríveis domados pelo homem no Furka Pass; a fúria do vento no alto do Col de La Bonette; a força da fé e da esperança impulsionando peregrinos para Santiago de Compostella; Fátima, presença constante em minha vida; as estradas roubadas à rocha no Canyon Du Verdon; o azul incrível do Adriático e mais, muito mais, porém nada que chegue perto daquilo que mais me emocionou em toda a viagem: o ser humano. Nada se lhe compara. Nesta viagem descobri que todos temos muito mais amigos do que imaginamos. Pessoas que jamais voltarão a vê-lo, e sem motivo aparente, são capazes de anônimos gestos de grandeza. O carabinieri Stefan; o meu amigo Lupo; as enfermeiras e médicas do hospital de Silandro; o ciclista que me socorreu com seu inglês pior do que o meu porém com uma dedicação enorme; o dono do hotel em Silandro; Rosi, uma verdadeira mãe para mim; pessoas de quem nem sei o nome, mas que me encorajavam com um “buon giorno” e um sorriso ao me verem andando. Foi maravilhoso sentir uma cidade torcendo por mim. No dia em que cheguei trazendo a moto da oficina pude ver a alegria estampada na face das pessoas. Parecia que estavam orgulhosos de mim e dizendo: “- Vá em frente motoqueiro, são apenas 1.000 km até Paris, você consegue seu velho coxinha !”.

E conseguimos mesmo. Hoje (22 de julho de 2015), depois que o pessoal da Yamaha saiu do galpão deixando-nos a sós, me despedi da Brigitte com um afago no tanque e um “obrigado querida”. Em seguida, sem olhar para trás, sai mancando qual um pato aleijado em direção ao hotel, numa caminhada que durou o tempo necessário.

Bem, a lona foi enrolada, o picadeiro desfeito, a bailarina e o palhaço se despedem e esperam ter transmitido um pouco da alegria que os embalou durante esses 70 dias.

Até qualquer hora... e muito obrigado.

Comentários (5)

This comment was minimized by the moderator on the site

Caro Hélio!

Sou um motociclista novato de São Paulo buscando minha experiência (apresar dos 36, piloto apenas a 2 anos) e ao ler os relatos de suas peripécias pela gringolândia, me sinto encorajado a partir por terras distantes, talvez um pouco mais seguras do que as estradas tupiniquins, que não inspiram confiança seja por assaltos ou pela qualidade do asfalto, infelizmente, mesmo com pouco tempo de estrada, já tive o desprazer de conhecer.

Venho lendo suas aventuras há alguns meses quando descobri o site Viagem de Moto e também o seu blog e gostaria apenas de parabenizá-lo pela atitude e de agradecer por suas encorajadoras histórias, fotos e traquinagens (esse termo veio a calhar, kkkkk) e por se dispor a dividir suas experiências, emoções, humor e crenças mostrando às pessoas, como eu, que é possível, por mais distante que possa parecer, realizar o sonho de pegar a sua menina, engatar a primeira e sair mundo afora sem se importar onde vai parar, pois o prazer é estar com ela na estrada, sempre sabendo que na volta para casa estarão todos para te receber de braços abertos e ouvidos preparados para escutar todas as histórias, experiências e aprendizados que uma viagem como essa pode nos dar...

Obrigado Mestre, e que Deus o abençoe sempre.

This comment was minimized by the moderator on the site

Grande Plinio,

Para nós, amantes das motos e das estradas, é sempre um prazer encontrar quem compartilhe da mesma paixão e nos acompanhe, seja numa garupa virtual, seja lendo nossos relatos. Embora tenha feito todo o roteiro sozinho (desconfio que ninguém conseguiria me aturar) jamais senti o peso da solidão. A certeza de que havia muita gente torcendo por mim foi fundamental para que eu concluísse a viagem com sucesso. Tentar dividir com vocês as emoções vividas é o mínimo que posso fazer para retribuir.
Muito, mas muito obrigado pelas palavras e até uma próxima aventura....quem sabe ?

Hélio - Gato Cansado

This comment was minimized by the moderator on the site

Adorei seu roteiro. http://gestorti.net.br

This comment was minimized by the moderator on the site

Meu caro amigo Andre Ramon e a todos que comentaram e acompanharam este velho coxinha,

durante o tempo em que estive viajando vocês, junto com meus familiares, foram meus fieis parceiros e com quem tive o prazer de compartilhar o sonho maravilhoso que foi tornado realidade. Vocês foram responsáveis por eu descobrir forças quando pensava te-las esgotado. Se não respondi às mensagens enviadas foi por absoluta falta de tempo além de depender de conexões de internet quase sempre precárias. Agradeço ao Rômulo Provetti a paciência e o trabalho de formatar e garimpar as informações necessárias. Meu maior prazer, estejam certos, será sempre dividir com aqueles que amam a estrada as emoções sentidas por um velho motoqueiro.

Hélio

p.s.: Andre Ramon, uma hora dessas vou a Brasilia visitar meus amigos do Comichão Custom Club (do qual sou membro honorário) e vou cobrar esse cafe (Capuccino, lógico).

This comment was minimized by the moderator on the site

Graaaaaaannnnndeeee Hélio...
Meu camarada....
Eu é que agradeço por você ter me levado tão longe durante esses dias...
Graças a seus relatos e fotos eu pude deixar minha mente "rodar" por lugares nunca por mim nem se quer imaginados!!!! Cara, tenho com você uma dívida impagável... Meus mais sinceros e profundos agradecimentos meu amigo!!!! Sim, meu amigo... Quero que saiba que, mesmo sem tê-lo conhecido pessoalmente, (ainda...), é nessa condição que o tenho... Na condição de meu amigo.
Hoje, 27/7/15, pra mim, encerrou-se uma linda viagem pela Europa. Quem sabe, se o Pai celestial um dia me permitir, eu a refaça pessoalmente, com minha companheira de vida, Cristiane Zardini, a mulher - (doidinha, diga-se de passagem!!!) - que Deus preparou para estar ao meu lado... Acho que ela vai gostar!!!
Espero que sua volta seja tranquila... E, quando puder, e quiser, dê uma passada aqui pela capital federal e vamos tomar um café juntos...
Um enorme, forte e fraternal abraço!!!
Fique com Deus.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia