Viagem de moto pelo Chile

Passamos pela transportadora para levar os baús da moto de Marcos Pires e partimos para a estrada já quase 10 horas. A manhã estava com uma neblina tão intensa que molhava como se fosse chuva. Aliada a um frio intenso, transformou os primeiros 150 quilômetros em uma viagem gelada.

Após a primeira parada, o sol finalmente apareceu. Estávamos na Ruta Pan-Americana, que atravessa as Américas, do Alasca até a ponta chilena mais próxima da Antártida, entre o Oceano Pacífico e a Cordilheira dos Andes. Rodamos o dia inteiro, sempre com belas paisagens da Cordilheira à direita, com vulcões e picos de montanhas totalmente cobertos de neve. Por toda a Ruta existe a cobrança de pedágio, inclusive para motocicletas (R$ 1,75 por moto aproximadamente).

Perto de Santiago, logo após a travessia do pedágio que dá acesso à capital chilena, é obrigatória a parada para a aquisição de bilhete no valor de R$ 12 (motos), para poder transitar na Ruta de acesso a Santiago. A multa para quem não possui o bilhete é alta, conforme orientação recebida.

O Chile é muito rigoroso em relação ao respeito às leis. As multas são registradas e cobradas imediatamente, em vans de apoio ao policiamento, com computadores em seu interior, lavrando e recebendo no momento em que as infrações acontecem.

Chegamos a Santiago e buscamos hospedagem no bairro da Providência, próximo à representação da BMW, local aonde chegaria a moto de Marcos Pires pela manhã. Já passavam das 22h e não conseguíamos hospedagem. Na região, a grande maioria dos hotéis era de luxo (Redes Hitz, Marriot, entre outras).

Partimos em direção ao Centro e paramos em frente a um hotel para saber da existência de vagas. Ouvimos então uma voz salvadora. Era o Celio de Oliveira, carioca que estava radicado há anos no Chile, empresariando Shows de mulatas, pagode e churrasco e que ligou para um hotel em pequena rua transversal, a 200 metros de onde nos encontrávamos. Hospedagem prontamente providenciada, Hotel Los Nogales, apart-hotel com diária relativamente salgada (U$S 95), que após uma chorada ficou por US$ 80. Pedimos uma pizza e dormimos no confortável hotel.

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização