A Amazônia é uma região que sempre me despertou muita curiosidade e, depois que comecei a realizar viagens de moto, decidi que iria conhecer a região. Após ler vários relatos de viagens pela Amazônia, comecei a planejar uma viagem pelas estradas de terra das rodovias Transamazônica e BR 319, a Rodovia Fantasma, que liga Porto velho a Manaus.

Depois de oito meses de muita ansiedade e preparação, finalmente o dia de iniciar nossa viagem de moto havia chegado. Eu e o Amerizon moramos em Goiânia e o Adriano em Brasília, então combinamos de nos encontrar em Uruaçu, Goiás, a 300 km de Goiânia na quinta feira, dia 7 de setembro.

Levantamos às cinco e às seis horas já estávamos no local combinado, onde encontramos o Adriano. Calibramos os pneus das motos e pegamos a BR-153 com destino a Colinas do Tocantins, onde iríamos pernoitar.

Levantamos bem cedo e voltamos à Transamazônica, que alternava longos trechos de asfalto com pequenos trechos de terra. Paramos para o café da manhã em uma simples lanchonete na beira da estrada, onde comi dois pasteis fritos e tomamos um açaí à moda paraense. Totalmente diferente do que temos em Goiás.

O galo começou a cantar as 5 da manhã e logo estávamos na Transamazônica com nossas motos. O Adriano estava na frente, o Amerizon no meio e eu atrás, bem próximos um do outro. As poacas começaram a dar o ar da graça. Logo na primeira grande poaca, subiu muita poeira que tirou a visibilidade quase que totalmente.

Levantamos bem cedo, tomamos um café da manhã muito simples e seguimos para Apuí onde paramos para abastecer. De lá seguimos viagem até o Rio Aripuanã para pegar a balsa. A balsa principal ia demorar muito a nos buscar, mas veio um sujeito numa balsa minúscula.

Programei errado meu despertador e ele despertou às quatro da manhã. Levantei e fui arrumar a bagagem na moto. Saímos cedo e fomos a um posto para abastecer, onde batemos um papo com uns integrantes da PM amazonense (nosso amigo Divino Jr. que ia gostar, ele é vidrado em militares).

Acordamos cedo e fomos procurar uma concessionária Yamaha para fazer a revisão nas motos. Elas estavam precisando. Com muita dificuldade e com a ajuda de um moto taxi que contratamos para nos levar lá encontramos o lugar onde Trocamos óleo, filtros e arrumamos as peças quebradas.

Pagina 1 de 2
Ver mais artigos

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pelo Brasil

Chapada Diamantina com uma Intruder 125

Me chamo Joel Domingos, minha magrela é a Suzuki Intruder 125 e foi nela que eu e minha esposa...

De Terezina a Salvador de FZ6 S

Acabo de adquirir uma Yamaha FZ6 S, azul, ano 2009, com apenas 14 mil kms rodados. Estou...

Parque Estadual do Ibitipoca

Deus reservou aos pássaros as asas, que os permitem voar e alcançar as alturas. Aos homens foi...