Viagem de moto pela Amazônia

Levantamos muito cedo, preparamos a bagagem na moto, nos despedimos do Goiano (o dono do bar) e de sua família, tiramos umas fotos e voltamos às poacas. Rodamos cerca de 50 km e chegamos às margens do Xingu. Um baita rio, muito bonito.

Não demorou muito e a balsa chegou, pilotada por índios. A balsa é deles e eles cobram a tarifa de 30 reais por moto. A mais cara até agora. Mas eu pagaria até 200 para não ter que voltar e pegar aquela estrada de novo.

A estrada adiante estava um pouco melhor e na hora do almoço chegamos a São José do Xingu, onde almoçamos e nos despedimos do Amerizon, que resolveu trilhar uma parte do caminho sozinho. Ele decidiu passar por Confresa no Mato Grosso e em Miranorte no Tocantins para rever amigos e parentes. Eu e o Adriano seguimos viagem rumo a Alô Brasil nosso destino no dia, quase 200 km de estradas de terra.

Péssimas estradas. Em alguns trechos mais pareciam trilhas no meio do pasto. Em outros se tornava uma estrada cheia de costelas e buracos.

O sol estava de matar, um calor absurdo. Parecia que não ia chegar mais. Estávamos andando muito lentos, a 50 no máximo 60 km/h.

Em um determinado trecho, a cerca de 40 km de Alô Brasil, o Adriano entrou numa vala e quase caiu. Eu ia atrás e me distraí e entrei nela também. Só que eu não consegui controlar a moto e fui para o chão mais uma vez. Outra queda feia. A moto desta vez não estragou, mas eu torci o dedo mindinho que ficou muito inchado e doendo demais, mas coloquei a luva e segui assim mesmo. Ficou muito difícil usar a embreagem nas mudanças de marcha.

Me lembrei de um colega que caiu e quebrou o pé e o ombro e teve que pilotar vários quilômetros até chegar no hospital, então parei de reclamar do meu dedo mindinho.

Como íamos chegar muito cedo a Alô Brasil, resolvemos prosseguir até Bom Jesus do Araguaia, onde nos hospedamos em um hotel novo na entrada da cidade. Hotel bom e barato. Saímos para jantar uma pizza, abastecer as motos e retornamos ao hotel. Dormi bem cedo.

Combinamos de sair as 6h da manhã no dia seguinte pois segundo relatos que havia lido, seriam muitos quilômetros de areia fofa. Hoje pilotamos apenas 310 quilômetros, mas foram bem cansativos.

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia