118° dia - 22/08/13 - 5a. feira - Chimbote/ Ica (Peru). 730 Km. (acumulado em Chimbote: 41mil km)

Mapa dia 118aQuase me esqueci do desayuno. Aliás, tinha esquecido, não fosse meu amigo da recepção lembrar. O Julian, garçon da noite anterior, já estava a postos às 7 horas da manhã. A porcaria do sinal da internet se foi desde ontem e "mórreu"... Tenho que fazer uma recarga no cartão Pré Pago Amex e nada...

A vista do hotel é bonita e o amanhecer reflete as cores na pequena baía.

Casal

Lá pelas 9 horas já estava percorrendo a Panamericana Sul. Muita areia, mas muita mesmo. Só que o povo joga lixo de qualquer maneira. Então é lixo, lixão e bota-fora de entulho durante quilômetros e mais quilômetros... Com direito a cheiro de fumaça de lixão sendo queimado, urubu, vira-latas, etc...

A névoa do Pacifico me acompanhou a maior parte do tempo com seu frio característico. Em alguns raros momentos, o sol chegou abrir.

O asfalto perfeito (ah que inveja... Se nossas BR's fossem assim...) sem NENHUM buraco. Pena que falta planejamento ou coragem de fazer a estrada contornar as cidades. O motorista peruano nas cidades é o pior. Vai buzinando e metendo as caras.

Coloquei a gasolina 97 octanas pra fazer uma graça com minha Fatboy. Ela até abanou o rabinho e quase engasgou de tanta octanagem... Não sei por que no Brasil não adota essa classificação. Por curiosidade, há algum tempo, cheguei a ligar pra Shell no "Shell Responde", mas ninguém me respondeu quantas octanas tem a V-Power. Transferiram a ligação, engasgaram, ratearam e ninguém me "respondeu" quantas octanas tem a gasolina Shell... Voltando... Só que a conta foi alta. A gasolina aqui não é como no Equador, é muito mais cara e saiu mais de R$4 o litro.

Enfim, toquei o resto da viagem no meu trote tranquilo. Brake: teve um momento de uma baixada retona, asfalto perfeito, um deserto sem viv'alma, aí puxei o maximo por uns 40 segundos. Mas acho que o vento estava contra e não passei de 160km/h. Voltei à minha velocidade cruzeiro de 90/100km/h, passei por Canete que me haviam sugerido ficar, mas como ainda era cedo e me sentia super bem, fui até a já conhecida Ica e fiquei no mesmo hotel da ida.

Um banhão caliente, barba feita, cuecas e meias lavadas e qual não foi minha surpresa, quem me chama na porta do quarto? O Ruy. Estava chegando de viagem. Gostei de revê-lo (foi muito engraçado e demos muita risada) e jantamos no Sand & Lake, o único restaurante aberto, mas bem transado da Laguna de Uacashina.

Comentários (1)

This comment was minimized by the moderator on the site

A V-Power no Brasil tem a mesma octanagem da comum (e demais aditivadas): 87 IAD Mais que isso só a Premium da Ipiranga (em torno de 91 IAD) e a Podium da BR (em torno de 95 IAD)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia