Fernando 1
Motociclista fez percurso do Brasil ao Alaska
e de volta até Ushuaia na Argentina
(Foto: Lucas Magalhães/EPTV)

Um motociclista, uma Harley-Davidson, 56 mil quilômetros de estrada e cinco meses de histórias através das Américas. Esse é o resumo da aventura que o arquiteto mineiro Fernando Duarte resolveu embarcar ao sair do Brasil no dia 27 de abril de 2013, chegar ao Alaska (EUA), partir para o outro extremo das Américas em Ushuaia (Argentina) e voltar ao ponto de origem em Belo Horizonte (MG).

Tudo começou em uma loja da Harley na capital mineira onde um amigo de Duarte, Ruy Barbosa, perguntava a cada um no lugar quem gostaria de ir com ele para o Alaska. "Aí ele olhou pra mim e perguntou se eu queria ir com ele. Eu parei e demorei pra responder... 20 segundos (risos), e respondi: topo", conta Duarte. "Aí nós apertamos as mãos e dois meses depois estávamos na estrada."

mapa da Viagem
Roteiro incluía 14 países e quatro
estados brasileiros até Alaska
(Foto: Site Viagem de Moto)

O arquiteto vendeu um carro e pegou empréstimo para a verba de cerca de R$ 30 mil necessária para o roteiro. Nesta terça-feira, ele colocava no papel as despesas que teve no percurso. "Carro já foi, dinheiro já foi, tudo isso sempre vai. Mas a história é minha, e essa não vai", completa. No total, Duarte gastou 2,8 mil litros de combustível (R$ 8,4 mil), R$ 15 mil de hospedagem, quatro pneus traseiros e três dianteiros e fez sete revisões com trocas de óleo durante a viagem.

No percurso até o Alaska, a dupla percorreu 14 países e quatro estados brasileiros. A bagagem só incluía algumas peças de roupas, ferramentas para as motos e, importantíssimo, um galão de gasolina. Quando perguntado se eles levavam algum material de primeiros socorros, a resposta foi rápida: "Não, isso não é importante não (risos)".

Viagem começou em Belo Horizonte, seguiu até o Alaska e voltou à Ushuaia. Arquiteto aposentado realizou percurso em 5 meses.Os dois viajavam durante o dia e evitavam as estradas à noite. Passavam o dia todo nas motocicletas e paravam para descansar em hotéis, pousadas e hostels. Em algumas cidades turísticas, passavam cerca de três dias para aproveitar o passeio.

Fernando e Ruy
Fernando Duarte e Ruy Barbosa durante viagem para o Alaska (Foto: Fernando Duarte/Arquivo pessoal)

Toda a viagem foi relatada no site Viagem de Moto, com histórias, fotos e vídeos para serem acompanhados pelos fãs das "duas rodas", amigos e família. Apesar das maravilhas do percurso, algumas dificuldades tiveram que ser superadas. Duarte reclama muito do estado das estradas brasileiras principalmente no norte do país, em que dividiram o caminho não só com buracos, mas algumas "crateras" nas rodovias.

Em Tampico, no México, ao ficarem perdidos em um cruzamento, em que o "GPS mandava ir para um lado e as placas para o outro", nas palavras de Duarte, a dupla foi chantageada por dois policiais que pediram U$ 300 para não levá-los para a prisão e tomarem as motocicletas. Temendo o pior, eles negociaram a passagem e conseguiram seguir viagem deixando para trás "apenas" U$ 90 para os oficiais.

Chegando às montanhas geladas

Os motociclistas entraram no Alaska no dia 26 de junho. O objetivo era chegar até Prudhoe Bay, cidade na ponta extrema do estado americano. "Quando estávamos chegando lá, parece que foi o teste final. Eu pensava: não vamos chegar", conta Duarte. O temor tem explicação: a Harley do arquiteto estava com um problema no motor, mas eles resolveram seguir até o quanto ela aguentasse.

Alaska
Após quilômetros percorridos, motociclistas chegam ao Alaska (Foto: Fernando Duarte/Arquivo pessoal)

A estrada era toda de cascalho solto, segundo ele, por causa de uma camada de gelo que sempre se forma na rodovia. Com a chuva, tudo virou lama misturado ao gelo que derretia. Para que os veículos não derrapassem, eles seguiam na primeira marcha, o que fazia o consumo do combustível se elevar a níveis preocupantes. "Realmente achamos que não íamos conseguir chegar e faltava apenas cerca de 800 km para concluir o nosso objetivo", lembra.

Mas a sorte os acompanhou até o fim e eles chegaram em Prudhoe Bay no dia 1º de julho de 2013, após 66 dias de viagem. Sem atrativos turísticos, a cidade reúne apenas trabalhadores das empresas instaladas no local, mas para os dois foi o marco de um grande percurso, que foi comemorado sem bebidas alcoólicas, que é proibida na cidade.

Fernando 2
Fernando atravessou de norte a sul das Américas
(Foto: Fernando Duarte/Arquivo pessoal)

"Fizemos o cumprimento típico do americano, que é tocar com a mão fechada como um soco na mão do outro, e demos um abraço de vitoriosos. Estávamos em Prudhoe Bay", conta Duarte no site da viagem. Nesse dia, o arquiteto ainda foi batizado como o mais novo membro do Clube Águias de Aço, de Belo Horizonte, após a missão cumprida.

Do Norte ao Sul

Duarte se separou de Ruy Barbosa no dia 21 de agosto, em Piura, no Peru. Barbosa já havia feito a viagem ao Sul da América, portanto, o percurso continuou apenas para Duarte. O objetivo era chegar até Ushuaia, Argentina. O trajeto até lá foi concluído no dia 17 de setembro.

De tudo que viu no trajeto, a receptividade de todos no caminho foi o que mais chamou a atenção do motociclista. "De carro você está em uma redoma, você afasta as pessoas. Na moto não, todos têm empatia por você. Fiz muitos amigos pelo caminho", conta. Na chegada a Ushuaia, sem conhecer ninguém, Duarte se apresentou a todos os hóspedes do hostel em que estava hospedado, contou sua história, abriu um espumante e pediu para que todos comemorassem com ele a conquista.

Fernando 3
A cada percurso, motociclistas conquistam brasões
(Foto: Lucas Magalhães/EPTV)

"E eu tive muito disso pelo caminho. Fiz aniversário no dia 28 de maio, longe de casa, um dia sensível para se estar longe de todos. Lembro de ter encontrado um pessoal no posto de gasolina, que me chamaram pra casa deles, convidaram um monte de amigos deles brasileiros e todos cantaram parabéns para mim, com bolo de aniversário e tudo mais. Foi emocionante", lembra.

Cento e cinquenta dias depois de muita estrada, Duarte chegou a Belo Horizonte no dia 05 de outubro e diz que não consegue nem definir quem se tornou após todo esse percurso. "Nessa viagem eu saí sem buscar nada e encontrei muita coisa", afirma. Mostrando os escudos que conquistou (em adesivos colados na Harley-Davidson), ele fala de um dos mais valiosos, "O grande cacique fazedor de chuva", que recebeu em Itajaí (SC).

O símbolo é baseado em uma tribo do México, que tinha o "dom de fazer chover", segundo a lenda, e quando outra tribo ocupou o território deles, eles foram jogados no mar. Diz a lenda que eles nunca mais pararam de percorrer o mar em suas canoas de norte a sul. "E é esse o espírito dos motociclistas. Eles nunca mais param de correr com suas motos, de um extremo a outro", finaliza, enquanto faz roncar o forte motor da sua 'companheira de percurso'.

Fernando 4
'Motociclistas nunca param de correr, de norte a sul', diz arquiteto (Foto: Lucas Magalhães/EPTV)

Fonte: G1

Comentários (3)

This comment was minimized by the moderator on the site

Guerreiros, bom dia!
Espetacular a forma como relataram.
No próximo ano (2017), vou me presentear com o contorno das Américas para comemorar meus 40 anos, desses serão mais de 20 anos dedicados ao motociclismo e a viagens pelo Brasil e América do Sul.
Sempre rodei de trail, mas atualmente estou me aproximando das customs.
Hoje tenho uma bmw 650GS e uma sportster 883.
Comprei a bmw para essa viagem, mas estou seriamente pensando em vender as duas motos e pegar uma dyna switchback pra ser a única moto. Para as viagens pelo Brasil e pra esse desafio.
Com a conclusão da viagem, e a experiência de ter rodado em terrenos tão hostis com as HDs, caso fossem refazer a viagem hoje, iriam de HD ou BMW?
Abraço e parabéns pela conquista.

This comment was minimized by the moderator on the site

Grande Marcelo!
Obrigado pelas palavras e parabéns pela justa comemoração dos 40 no ano que vem!
A moto ideal para a viagem que fizemos é uma Big Trail, sem dúvida. Por outro lado a Harley é um ícone e torna o desafio maior ainda. Mas meu motivo foi mais simples: é a moto que eu tenho e foi com ela que decidi ir.
A FatBoy foi valente e só resolvi comprar a bolha/ screen shield nos EUA. É que na América Central um caminhão na minha frente passou por cima de uma peça de madeira pontiaguda levantando perigosamente. Não houve problema, mas... Prudência antes de mais nada, certo?
Bem, forte abraço e curta sua aventura!

This comment was minimized by the moderator on the site

Parabéns a dupla de heróis essa é uma viagen que gostaria de fazer mais não tenho essa disponibilidade e nem a grana mas Deus continue abençoando esses dois.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia