Viagem de moto Serras do Sul do Brasil

Levantei relativamente tarde no segundo dia da viagem de moto, mesmo sabendo que o dia seria inteiro de turismo e motocagem. Sai do hotel às 9h da manhã e fui no ICMBIO pegar a autorização para subir ao Morro da Igreja.

Após ser atendido, fui até a gruta Nossa Senhora de Lourdes, local onde agradeci pela viagem 110% que tive até ali, sem nenhum imprevisto ou susto. A vibe desse local é descomunal.

A neblina ainda estava pegando forte e aí tive um pouco de receio de ir até o Morro da Igreja e não ter a visão da Pedra Furada, mas como já tinha escutado que, se na cidade a neblina estivesse forte, encima o céu estaria limpo. E não deu outra, peguei um céu de brigadeiro, que rendeu ótimas fotos da Pedra Furada, do Cindacta e de tudo que meus olhos podiam ver.

Desci a belíssima estrada e no meio do caminho parei para conhecer a famosa Cascata Véu de Noiva, outro cartão postal de Urubici. Velho, dava vontade de sentar na agua e ficar por horas ali de tão lindo que o local é.

Após algumas fotos e vídeos, subi na moto em direção à Serra do Corvo Branco. Todo o caminho até a Serra é muito belo para quem gosta de paisagem, pois para a maioria vai ser apenas uma estrada de terra em má condições.

Chegando ao topo da Serra parei para algumas fotos. Lá me senti um patinho feio, eu de CB 300 e ao lado Tiger, BMW, Africa Twin..., motos que sonho ter. Enfim, com um pouco de receio, resolvi descer a Serra e ir em sentido Grão Pará, a descida é feita com atenção redobrada, porem com muitas paradas para fotos.

Viagem de moto serras sul Brasil

Enquanto descia, um grupo de BMW estava na minha frente e em dado momento um deles se descuidou e acabou tomando um capote. Todos ajudamos levantar aquele trator que é a GS 1200 e ainda brincamos que não adianta controle de tração e estabilidade se não tem braço.

Nos despedimos após isso, pois, eles ficaram com medo de continuar e acabaram por subir de volta. Eu continuei a descida até pegar o asfalto na altura de Grão Pará. Nesse trecho parece que estamos naquelas estradas do interior da Europa, com curvas e montanhas permeando o cenário, impossível não parar para fotos. Motoquei até a cidade de Lauro Müller, onde almocei um baita de um PF na Route 66

Após dar uma de sucuri e esperar a comida descer, fui para Bom Jardim da Serra onde teria o meu primeiro encontro com a Serra do Rio do Rastro.

Viagem de moto serras sul Brasil

No começo da subida o corpo começou a arrepiar, não só pelo fato de estar ali, mas pelo fato de eu estar realizando um sonho que eu já vinha planejando muito antes de ter a moto. Subi degustando cada curva, cada refúgio para fotos, cada cascata que corria na lateral, de uma forma que me surpreendo ainda hoje.

Após chegar ao “cume” aproveitei e fui conhecer o Cânion da Ronda e o parque eólico. Na volta para Urubici ainda cheguei à Cascata da Barrinha, outro lugar massa demais.

Voltei no fim da tarde para o hotel e fui novamente jantar no Posto Serra Azul. Nesses dois dias comi igual um boi. O pessoal deve ter gostado haha!

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia