Depois de várias leituras de relatos de grandes viagens de moto (Emilio Scotto - Policarpo - Rauen - Albuquerque - Chinaf - Gugu - Viajante Solitário (RIP) e muitos outros...), havia chegado a minha vez de viajar e poder relatar, encorajando outros futuros viajantes a fazerem o mesmo.

Saí de casa as 07h30, com o dia nublado e cinzento, com leves chuviscos na subida para a BR-116. Costumo tocar na boa, entre 90 e 120 km-h, sendo este intervalo, a média de cruzeiro de toda a viagem.

Na primeira abastecida, em Vacaria (RS), a segunda gasolina mais cara da viagem - R$ 3.04 o litro

Acordei às 05h30, com o ronco dos bugios num mato nos fundos do hotel. Estava frio mas já era dia claro. Aproveitei e dei umas duas voltas ao redor do trevo do hotel e da BR.

Às 8 horas, estava já com a moto abastecida e indo em direção à ponte internacional sobre o rio Uruguai.

Neste dia, a pilotagem começa na vastidão e solidão das grandes retas da Ruta 16 e termina a 2.461 m.s.n.m. em Tilcara, na Quebrada de Humahuaca, patrimônio da humanidade (Unesco), na província de Jujuy. O céu nublado amortizou o forte calor, usual quase o ano todo na região.

Hoje, o gran finale da ida, com grandes atrações. A saída da multicolorida Quebrada, a subida ao altiplano, a Cuesta de Lipán e suas belas curvas a 4.170 m.s.n.m., o salar de Salinas Grandes, as grandes retas na solidão e aridez das grandes alturas, a serrinha antes do povoado de Susques, a subida ao Paso de Jama a 4.320 m.s.n.m.

Após três noites e dois dias em San Pedro do Atacama, era hora de voltar, pelo mesmo caminha da ida. Na aduana chilena, foi super rápido e ainda encontrei um ônibus de turismo de SC, voltando de Machu-Pichu com um casal conhecido de minha cidade, que se ofereceu para levar alguma bagagem,

Toquei direto até J. Gonzalez, onde parei para abastecer e tomar água com bolachas. O vento continuava, ora forte, ora diminuía um pouco e estando nublado na maior parte, amenizou o calor de cruzar a Ruta 16 Transchaco. Desta vez, o vento espantou a maioria dos animais que costumam estar pela pista e arredores!

A moto acusava a desregulagem da mistura. Cruzei a marginal de Corrientes bem no pico do meio-dia. Um trânsito infernal, sinaleiras, ônibus, motonetas e a Bandit morrendo a cada parada. Já na Ruta 12, abasteci e toquei para Ituzaingó, onde parei, abasteci e visitei a avenida costanera, margeando o rio Paraná.

O caminho era o mesmo da ida. Eram 07h45 e estava já na aduana. Ali troquei os pesos sobrantes por reais e conferido os papéis do lado argentino, de nosso lado eram 08h45 da manhã e de novo ninguém, nem ao menos para dar uma olhada em quem entra ou sai do Brasil...

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pelo Chile

Até o Chile em família

Tudo começou (para variar!!!) em uma mesa de boteco. Definimos simplesmente que íamos! Foi mais de um...

De Biz nos Andes

Grupo de motociclistas de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, integrantes do moto grupo Bodes do...

Atacama 2015

Um grupo composto por cinco brasileiros em três motocicletas realizou entre os dias 31 de janeiro...