Levantei cedo ansioso para passar pela aduana de São Borja. Sabia que teria que pagar o pedágio da ponte, mas eu acordei cedo. Já os funcionários do hotel, esses não. Tive que esperar até às 6 horas para sair, atrasando um pouco o cronograma, mas foi tranquilo.

Sexta-feira Santa, dormi até tarde e só saí do camping às 8 horas. A moto estava boa, depois que troquei o óleo, o motor ficou bem suave (mas sempre checando o nível). Percorria a Ruta 40. Passei por El Bolsón, uma cidade charmosa, assim como as demais que visitei no caminho. Saí do verde das montanhas para o árido de forma rápida em Esquel, onde parei, comprei comida, abasteci e descansei por uma hora. O posto tinha wifi.

Neste dia estava frio, mas nada que não fosse suportável. Não consegui devolver a chave da casa, então eu a deixei na mesa e saí para abastecer. Cheguei às 6h40 ao posto COPEC da vila e tive que esperar abrir. Estava lá um morador de Puyuhaupi no Chile aguardando abrir para comprar óleo

Pagina 1 de 2
Ver mais artigos

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pela Argentina

De Miguel Pereira à Terra do Fogo

Eu e minha esposa saímos de casa no dia 1º de janeiro de 2014, com o objetivo de chegarmos a La...

O pai, o filho, uma moto e a estrada

O pai é o modelo de comportamento para seus filhos, tem a importante missão de transmitir valores,...

Sonho adiado em uma curva

Eu ainda estava maravilhado com as paisagens daquele sábado: rios, lagos, cordilheira e picos...