Viagem de moto até o Chile – Deserto do Atacama

Talvez um dos dias mais interessantes até agora em nossa viagem de moto em direção ao Deserto do Atacama. Grandes mudanças de paisagem, vegetação e clima acorreram em um mesmo dia.

Tomamos um excelente café da manhã no Hotel Gualok, excelente hotel a um preço incrivelmente baixo. Montamos nas motos e saímos às 8h30min do hotel.

Sabiamos que iríamos passar por um trecho sem estrutura que cruza as províncias do Chaco e Santiago del Estero. Ainda em Roque Saenz Peña, a primeira surpresa. O posto YPF recusou abastecer nossas motos. Havia combustivel, mas a politica do posto não permitia atender motos. Estranho!

Fomos para a estrada e abastecemos em um posto Shell. O tempo estava meio fechado e a pista molhada. A regiao é tão quente e plana e as pistas tão retas que existe um lugarejo chamado Pampas del Infierno. Registramos em foto!

Colocamos roupas de chuva e tocamos adiante. Ela veio, mas durou pouco. O sol voltou a brilhar forte logo após. Esta regiao e bem agrícola. É comum o trânsito de máquinas enormes do tipo tratores e colheitadeiras na pista. Que por sinal, estava cheia de buracos em uma parte do caminho.

Pensavamos que estávamos livres da ação da polícia argentina após passar pelo famoso posto policial de Corrientes. Estávamos enganados. Fomos parados por uma policia local, farda azul, que claramente queria nos pedir uma 'contribuicion'. Neste momento, o Alberto se identificou como policial brasileiro e os companheiros argentinos nos liberaram da 'taxa' e amolação. Lógico que ele nos cobrou a cervejinha depois (rs). Batemos até fotos com os policiais meio desapontados.

Viagem de moto até o Chile – Deserto do Atacama

Saimos e 20 minutos depois fomos novamente parados pela polícia. Desta vez era a Gendarmeria. Um tipo de polícia federal ou polícia do exército. Estes são mais sérios. Não nos pediram documentos. Queriam apenas ver as motos por curiosidade.

Após as policias e os buracos, a estrada ficou novamente boa e reta. Apertamos o passo, viajamos entre 130 e 140 km/hora e recuperamos o atraso. Entretanto, tinhamos que ter muito cuidado. Haviam muitos animais na pista (porcos, cachorros e gado). Uma vaca entrou na frente do Max. Ele estava atento, uma vez que nos informarm disto, e não houve problema. Filmei a situação!

Em determinado momento começamos a ver a Cordilheira dos Andes 250 km antes de Salta. Incrível e única a experiencia de ver a Cordilheira chegando aos poucos e se agigantando na nossa frente.

Chegamos a Salta após 650 km percorridos. Abastecemos e decidimos rumar para Purmamarca, 150 km à frente.

Viagem de moto até o Chile – Deserto do Atacama

Encontramos no posto dois motociclistas que havíamos conhecido rapidamente na aduana em Foz do Iguaçu. Eram duas BMW GS 1200 que estavam rumando para o Canadá. Um deles era o Luis, que mora em Sao Lourenço e o outro, pasme, um senhor canadense (moto placa de Ontario) de 87 anos que estava voltando de moto para casa. Uma figura! Doidão na estrada. Conversamos bastante à noite e este senhor tem uma história muito interessante. Vieram do Canadá em quatro motos. Ele, o filho e dois netos. Ouvimos a história dele como um mestre falando para seus alunos. O cara já andou pela África, Américas e Europa de moto, foi piloto de corrida de moto nos anos 40 e 50, tem uma Indian 1948 na garagem que usava em apresentações tipo globo da morte em circos pelo Canada. Um papo muito agradavel. Nos convidou a ir para o Canadá dar uma "voltinha" de moto. Fica aí a lição para aqueles que se acham velhos demais para uma aventura.

Viagem de moto até o Chile – Deserto do Atacama

Viajamos juntos até Purmamarca e nos hospedamos na pousada Paseo los Colorados. Muito boas as instalações, com quarto, sala e cozinha. Lógico que o Max ficou com a Suite! E ainda ficou resmungando da falta de luz (rs).

Cidadezinha interessante. Um tipo de São Thomé das Letras dos Andes. Preço de 24 Reais por pessoa e com café da manhã.

Fomos todos jantar próximo à Pousada, onde tomamos vinho e comemos uma bom bife de chorizo.

Rodamos ao todo 800 km hoje. Amanhã vamos para San Pedro de Atacama. Um dia que será incrivel!