Viagem de moto pela Argentina, Chile e Bolívia

Os dois dias seguintes teriam trechos mais longos, para poder aproveitar cidades mais interessantes adiante, na Ruta del Desierto. Todas, rumo Sul. Seriam entre 550 e 650 km/dia. Mas, o planejamento era flexível o suficiente para ajustes que se fizessem necessários.

Assim foi feito. De Antofagasta, rumo Norte, o destino foi o parque do monumento natural La Portada de Antofagasta. São formações rochosas dentro do mar que conformam um arco natural erodido na rocha pela água. Há um museu e trilhas a beira mar, não visitados.

Viagem de moto Bolivia Chile ArgentinaLa Portada de Antofagasta

A visita ao monumento e a opção de retomada do caminho rumo Sul pela orla da cidade, a Ruta 1, e que valeu a pena, determinaram ajustar a distância a ser percorrida no dia. Como ainda haveria outra parada turística na Mano del Desierto, a 80 km de Antofagasta, seria difícil pernoitar em Copiapó, a 550km de distância. Daí a opção de fazê-lo na cidade de Taltal que, até a Guerra do Pacífico, era o limite Norte chileno.

O vento, desde San Pedro de Atacama até Antofagasta, era muito forte na estrada. Esta, com muitos caminhões, obrigando a reduzir a velocidade ao ultrapassa-los e baixando o corpo atrás do para-brisa, para reduzir o efeito da turbulência e o deslocamento do ar produzido pelos que vinham em sentido contrário. O vento soprava cruzado, frontal e traseiro. Uma indicação visível era a poeira e detritos cruzando a rodovia, na frente da moto. Não havia vegetação ou animais, silvestres ou não, visíveis na maior parte da rodovia.

Esperava mais da Mano del Desierto, indicada na estrada como "escultura". Realmente o é, com acesso de 500 metros de ripio escorregadio a partir da R5. Sem nenhuma infraestrutura de apoio. Sorte haver comido e utilizado banheiro antes da saída de La Portada de Antofagasta.

Viagem de moto Bolivia Chile ArgentinaLa Mano del Desierto

Fotos feitas, pé na estrada, rumo a Taltal.

Nesse trecho, após Antofagasta, a única opção de reabastecimento é em Agua Verde, na R5, distante cerca de 280 km. Taltal resultou excelente escolha, destaca-se.

Outra vez, a neblina do Pacífico pegou forte nos 25 km de acesso da R5 à cidade. Frio e pilotagem por instrumento.

Viagem de moto Bolivia Chile Argentina

Ao chegar, céu brilhante e temperatura agradável, como a cidade. No fim do século XIX e princípio do século XX, Taltal tinha vida agitada, como principal porto de exportação de salitre. Os cerca de 30 mil habitantes desfrutavam de teatro, opera, hipódromo, consulados, portos para passageiros e carga, touradas etc. Até 1930, o salitre deu prosperidade à cidade. O hotel escolhido para pernoitar e o restaurante para o jantar têm mais de 120 anos no mesmo ramo, estabelecidos por imigrantes italianos, que conservam móveis e decoração de época, ambos defronte ao Pacifico. O pôr do sol em Taltal, com a visão do píer de madeira, barcos de pesca ancorados e os contornos das montanhas produziu fotografias bacanas. Valeu a pena ter enfrentado de novo a neblina "comanchaca", nos 25 quilômetros que unem a R5 a Taltal.

Outra vez, frutos do mar e Pisco sauer foram consumidos.

Buenas noches.

Viagem de moto Bolivia Chile ArgentinaViagem de moto Bolivia Chile ArgentinaViagem de moto Bolivia Chile ArgentinaTaltal

Comentários (1)

This comment was minimized by the moderator on the site

Mano del Desierto, parada obrigatória para os motociclistas, e estar beirando o pacífico também é tuuuudo de bom!

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia