viagem de moto pela Argentina

Seguindo informações retiradas do Google Maps, seguimos pela Ruta 51. Achei estranho quando começamos a pegar algumas estradas em má conservação e com longos trechos de terra, o que não estava de acordo com informações que haviam me passado, então perguntamos para alguns nativos se por aquela rota realmente chegaríamos a Susques e eles nos responderam que sim.

Mas quanto mais percorríamos a estrada, piores ficavam as suas condições. Até que chegamos a San Antônio de Los Cobres, uma cidadezinha que parou no tempo. Naquele lugar conseguimos informação com o motorista de uma Van, que nos orientou sobre a ruta que deveríamos seguir para chegar a Susques, mas daquele ponto para frente a estrada ficou péssima, como pode ser verificado nas fotos. Foram 100 km percorridos por essa estrada. Como nossas motos não eram preparadas para este tipo de estrada, acabamos por levar três tombos cada. E o receio de não conseguirmos chegar a uma estrada de asfalto antes do anoitecer era grande, não conseguíamos ultrapassar os 40 km por hora.

Viagem de Moto America do Sul

Em alguns pontos a estrada se bifurcava sem nenhum tipo de placa para sinalizar. Seguíamos apenas pela intuição. Até que vimos um carro vindo em nossa direção e pedimos ajuda. Do carro desceu um nativo da região, que morava em um vilarejo próximo com o qual nos comunicávamos com muita dificuldade devido ao idioma, ele se espantou de estarmos trafegando por aquela estrada, perguntou o que estávamos fazendo ali, para onde estávamos indo. Respondemos que éramos do Brasil e que estávamos fazendo uma viagem por alguns países da América do Sul. O nativo então nos disse que não sabia onde ficava o Brasil, mas simpaticamente nos informou que seguindo pela estrada que estávamos percorreríamos uns 20 km até chegarmos na ruta 52, já asfaltada sentido Susques.

Viagem de Moto America do Sul

O correto seria termos seguido de Salta a Susques já pela ruta 52 em direção a Pumamarca.

Mas valeu a pena. Embora o medo que passamos, as paisagens espetaculares compensaram. E uma dose de adrenalina sempre é bom numa aventura!

Viagem de Moto America do Sul

Obs.: começamos a subir a Cordilheira dos Andes e naquele trecho atingimos 4080 metros acima nível Mar. A minha moto, uma Yamaha Fazer, perdeu rendimento e a Honda Twister do Japa começou a falhar, sendo necessário ajustar o carburador.