Fomos à Praia do Francês onde tem aquela incrível barreira de coral que transforma a praia numa verdadeira piscina pela manhã. De lá seguimos para a praia do Gunga, onde alugamos um quadriciclo pra fazer um passeio pela praia. Dessa vez a patroa resolveu pilotar e pulei pra garupa. Meses depois descobrimos que aquele passeio foi proibido porque estava matando os ovos de tartaruga.

Saímos pela manhã pelo transito confuso de Salvador. Depois de ficar perdido no dia anterior na cidade, liguei o GPS do telefone e deixei-o na mala tanque. O principal problema é nas cidades grandes. Na estrada os mapas de papel resolvem bem. Não queríamos passar novamente pelo ferri-boat, então decidimos passar pela BR 101, dando a volta e passando por Cruz das Almas.

Acostumada com o ritual de viagem de moto, a noiva tava querendo chegar logo em casa e saiu logo lubrificando a corrente pra adiantar o processo. Dali pra frente o caminho já era velho conhecido e chegamos na mais perfeita ordem, uns quilos mais fofos de tanto camarão e cerveja, uns reais a menos na conta, mas com muitas boas lembranças.

Pagina 3 de 3
Ver mais artigos

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia