Parti de Antofagasta, onde fui super bem recebido pelo Alejandro através do Couchsurfing, em direção às Lagunas Altiplânicas do Atacama. A demoníaca conseguiu atingir 4200 metros de altitude em caminho de terra para lá chegar, incrível!

O ponto máximo do dia foi ler um livro enquanto boiava numa lagoa no meio do deserto! Tudo isto é possível porque esta lagoa é super salgada, tem uma concentração tão grande de sal que não permite afogar. Na parte mais funda atinge 19 metros de profundidade.

Depois de três dias no meio do nada, sem assistência e com mais de 300 km de puro off road nos Andes, consegui chegar a Uyuni! Basicamente, três dias antes saí de San Pedro de Atacama em direção à Bolívia.

Nesta noite, por coincidência, conheci um italiano que está viajando com uma KTM 990, o meu amigo Raffaele. Estivemos juntos visitando Uyuni! Um 5 estrelas, também estudou gestão, mas já doutorado.

Foi dia de visitar as minas de Potosí! Foram as maiores minas de prata e de outros minerais do mundo. Morreram mais de 8 milhões de pessoas nestas minas desde o início da sua exploração e, ainda hoje, só de derrocadas, morrem cerca de 14 pessoas por mês.

Depois da estadia em Potosí, segui em direção a Sucre para conhecer a cidade, mas principalmente para fazer a revisão da moto! Mal cheguei dirigi-me à Hi-Store para deixar a moto. O Gonzalo, gerente da concessionária, fez tudo para ajudar ao sucesso deste projeto!

Passei alguns dias em La Paz, uma das minhas cidades favoritas! Mal cheguei de moto, perto do hostel onde ia ficar, ouvi alguém gritar “André”... quem era? Um português jogador de rugby que conheci em Florianópolis e o Bincha, um amigo.

Pagina 3 de 5
Ver mais artigos

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia